segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Bolo de fécula de batata com amêndoas

Bolo de fécula de batata

Hoje trago um bolinho pequeno e muito, mas mesmo muito simples de fazer. Fica um bolo macio, delicioso para o lanchinho com o chá ou um copo de leite. A receita estava na embalagem da fécula de batata. Aqui fica:

200g de açúcar
125g de manteiga à temperatura ambiente ou amolecida no micro-ondas
250g de fécula de batata
50g de miolo de amêndoa
3 ovos
2 colheres de chá de fermento em pó

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Untar uma forma pequena de buraco com margarina e polvilhar de farinha. Reservar.

Separar as gemas das claras. Bater as claras em castelo firme e reservar.

Começar por bater muito bem a manteiga com o açúcar até ficar um creme muito macio. De seguida, juntar a fécula de batata, as gemas, as amêndoas e o fermento em pó. Bater até ficar novamente uma massa macia.

Juntar esta massa às claras reservadas e envolver delicadamente, sem bater, envolvendo de baixo para cima.

Colocar a massa na forma e levar ao forno cerca de 30 minutos. Verificar cozedura, retirar do forno e desenformar.

Bom apetite!

Bolo de fécula de batata

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Torresmos do céu (Alcanena)

Torresmos do céu (Alcanena)

No outro dia ao folhear o livro "Doçaria regional portuguesa", cruzei-me com esta receita. Não foi a receita em si que me chamou a atenção, mas o facto de eu ter uma costela Ribatejana, mais precisamente de Alcanena, de onde estes bolos são característicos... apesar de eu nunca ter dado lá por eles! Alcanena é a famosa terra dos curtumes, uma terra pequena e tranquila, onde passei seguramente alguns dos meus melhores momentos de criança e de onde tenho uma misto de memórias e saudades.

A receita não está tremendamente bem explicada, por isso não sei se o meu resultado final fica sequer perto do doce original. A mim resultaram uns quadrados a atirar para o caramelo, que têm que ser comidos em doses pequenas pois são pesadotes. Mas comem-se muito bem e ficam muito saborosos... Aqui deixo a sugestão:

500g de açúcar (reduzi para 400g)
2,5dl de água
160g de manteiga
1 colher de café de canela
70g de miolo de amêndoa laminada
3 ovos
250g de farinha
Açúcar e canela para polvilhar

Torresmos do céu (Alcanena)

Começar por levar o açúcar ao lume, juntamente com a água, até obter um ponto de pérola bem forte (quando depois de mexer o açúcar, se levanta a colher e ele cai em fio, criando bolas pesadas na ponta).

Enquanto isso preparar um tabuleiro pequeno. Untar com margarina, forrar com papel vegetal e untar novamente com margarina. Reservar.

Retirar do lume e juntar a margarina, envolver depressa e juntar todos os restantes ingredientes, mexendo muito bem. Levar novamente ao lume e mexer sempre até a massa se descolar por completo do fundo do tacho.

Colocar a massa no tabuleiro reservado (ou em forminhas individuais), espalhar a massa uniformemente e deixar arrefecer por completo, de preferência de um dia para o outro.

Depois de frio polvilhar com açúcar e canela e cortar em quadrados pequenos. Colocar em forminhas de papel e servir junto do café.

Bom apetite!

Torresmos do céu (Alcanena)

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Carbonara no forno

Carbonara no forno

Hoje trago mais uma daquelas refeições rápidas e simples, ideias para deixar aos miúdos mais crescidinhos para adiantarem o jantar e surpreenderem os pais com um delicioso tabuleiro de massa no forno. Não é o meu caso, que sou uma mãe mais que galinha e ainda não gosto que elas mexam no lume, mas gosto que elas andem por ali e aprendam e percebam que podem fazer pratos que adoram sem qualquer dificuldade. Aqui deixo a sugestão:

250 a 300g de massa fusilli
150g de fiambre
150g de queijo flamengo
100g de queijo mozarela
1 mão cheia de azeitonas pretas
5 fatias de bacon
1 pacote de natas carbonara Parmalat
Azeite, sal, orégãos e alho em pó q.b.

Colocar um tacho largo ao lume com bastante água bem temperada com sal e um fio de azeite. Quando começar a ferver, adicionar a massa e deixar cozer até ficar al dente (cerca de 7 a 8 minutos).

Enquanto a massa coze, cortar o fiambre, o queijo e o bacon em tiras pequenas. Colocar o forno a aquecer.

Retirar a massa do lume e escorre-la por um passador, passando por água fria (para travar o processo de cozedura). Reservar.

No mesmo tacho, colocar as natas carbonara, temperar com alho em pó e orégãos e juntar o fiambre e o queijo flamengo. Quando estiverem a borbulhar, apagar o lume e juntar a massa, envolvendo muito bem. Colocar num recipiente de ir ao forno e por cima salpicar o queijo mozarela, distribuir as tirinhas de bacon e as azeitonas. Levar ao forno até ao bacon estar estaladiço. Depois, é só servir…

Bom apetite!

Carbonara no forno

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Bolo de iogurte com marmoreado de canela

Bolo de iogurte com mármore de canela

Depois de ver este bolo mármore da minha amiga Fátima do "Bolinho de Sábado", decidi que tinha que fazer um em breve. É daquelas coisas que nos ficam na cabeça e só passam depois de as fazermos… o problema foi perceber que tinha um iogurte grego no frigorífico em cima da validade. Isso, acompanhado de um pedido de bolo de canela, saiu uma mistura dos três. Um bolo mármore, de iogurte com mármore de canela. E que bom que ficou! Aqui deixo a sugestão:

6 ovos
300g de açúcar
1 iogurte grego natural açucarado
½ copo de óleo vegetal
160g de farinha
1 colher de chá de fermento em pó
2 colheres de sobremesa de canela em pó
Açúcar em pó para polvilhar (opcional)

Bolo de iogurte com mármore de canela

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Untar uma forma de buraco com margarina e polvilhar de farinha. Reservar.

Começar por bater muito bem os ovos com o açúcar até ficar um creme bem fofo e esbranquiçado. Juntar o iogurte e o óleo e bater novamente. Por fim juntar a farinha e o fermento e bater delicadamente, apenas até estar envolvido.

Colocar cerca de metade da massa na forma reservada e à restante massa juntar a canela em pó e envolver bem. Despejar aleatoriamente esta massa sobre a massa branca, com movimentos circulares, ajudando com uma colher a dar o efeito de mármore.

Levar ao forno cerca de 40 minutos. Verificar cozedura, retirar do forno, aguardar 5 minutos e desenformar. Depois de frio polvilhar com açúcar em pó.

Bom apetite!

Bolo de iogurte com mármore de canela

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Filhoses de forma

Filhoses de forma

Hoje trago umas filhoses de forma que andava ao tempo para experimentar. Uma amiga tinha-me oferecido a forma (já há anos…!!!), mas nunca tinha experimentado arriscar a sorte, apesar de ela me dizer que era uma coisa simples. A forma pode ser comprado em vários locais: Pollux, Jumbo, Continente, antigas drogarias e até nas lojas chinesas já as vi!

Sendo assim, deixo-vos o meu “testemunho” desta aventura gastronómica! Fazer filhoses de forma não é um filme de terror. Não é um drama! Se são fáceis…? Também não vos vou enganar e dizer que se fazem “com uma perna às costas”! Mas fazem-se bem. Com dois ou três preceitos que apenas vocês conseguirão afinar, tal como eu os afinei à medida que iam saindo…

1.º - Preparar fritadeira com óleo, pratos com papel absorvente, prato com mistura de açúcar e canela, travessa grande…

2.º - Recrutar as mini-ajudantes lá de casa

3.º - Percebermos que a massa é pouca, que apesar disso 1/3 fica inutilizada, mas que no fim sai uma grande travessa de filhoses!

E agora explicando… 1/3 da massa fica inutilizada porque o óleo e a forma têm que manter uma temperatura média/baixa constante. Se a forma estiver muito quente, quando se coloca na massa, esta coze de imediato, e ao levantar do prato cai a massa semi-cozinhada e nem chega a entrar no óleo, ficando desta forma inutilizada. Por isso o grande segredo é conseguir manter uma temperatura certa! O resultado final compensa bastante a aventura, porque ficamos com umas filhoses finas e estaladiças e em que se sente muito menos gordura do que nas filhoses tradicionais.

Isto tudo também para dizer, que eu sou uma cozinheira de família, tal como a grande maioria de vocês que estão aí desse lado. Também faço experiências e arrisco novas receitas. Também tenho coisas que me saem menos bem. Não tenho qualquer formação académica na área. Cozinho por puro prazer, por isso não tenho pretensões de falar ou de ensinar sobre aquilo que não sei. Falo-vos do que faço, do que experimento, do que resulta bem ou menos bem… é que às vezes fico com a sensação que os leitores dos blogs de culinária partem do pressuposto que os seus autores (pelo menos da maioria dos blogues) serão pessoas especializadas na área… mas a maior parte de nós somos pessoas comuns, que saímos todos os dias para trabalhar, numa qualquer outra área que não a cozinha… Se calhar a única coisa que nos diferencia (autores e leitores) é que passamos todos os nossos bocadinhos a ler livros e revistas de culinária, a navegar entre aromas e sabores de todo o mundo através deste universo virtual. Na cozinha tudo passa a ser uma aventura divertida e irresistível de partilhar… por isso aproveitemos todos estas infindáveis aventuras! Desculpem o testamento… agora vamos à receita (retirada e adaptada da Teleculinária Robot de Cozinha deste mês), que no fundo é tão simples:

Filhoses de forma

150g de farinha
150g de leite
10g de água ardente ou Vinho do Porto
3 ovos

Açúcar e canela para polvilhar/envolver

Colocar todos os ingredientes numa taça e bater muito bem até estar uma massa macia e homogénea.

Pôr uma fritadeira em lume baixo com pelo menos 3 dedos de óleo de altura. Colocar a forma lá dentro para ir aquecendo.

Deitar a massa num prato (usei um prato de sopa) e colocar a forma quente e molhada no óleo, até cerca de dois terços da altura da forma, SEM NUNCA ULTRAPASSAR O METAL, i.e., a forma nunca deve mergulhar por completo na massa. Voltar a pôr a forma no óleo e sacudir ligeiramente para soltar a massa. Não convém fazer mais de duas de cada vez, o que não é dramático, uma vez que ficam prontas em menos de nada. Retirar do óleo para um prato com papel absorvente e depois, ainda quentes, polvilhar de açúcar e canela (agradeço estes pequenos passos ás minhas grandes ajudantes, que apesar de irem petiscando, fizeram um excelente trabalho!!!!). Repetir a operação até terminar a massa.

Bom apetite!

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Baguete francesa com três queijos

Baguette francesa com três queijos

Cá venho eu com mais um jantar de 6.ª feira. Confesso, à 6.ª feira à noite é a altura em que me apetece menos cozinhar. Estou cansada, aproveito para adiantar 1 ou 2 máquinas de roupa, ir arrumando o que foi ficando para trás durante a semana, começar a limpar o pó… aquelas coisas, vocês sabem. Por isso à 6.ª feira tento sempre recorrer a jantares mais práticos, com pouca loiça, que demorem pouco e que não levantem esquisitices. O mais engraçado é que muitas vezes acabam por ser os melhores jantares! Estas baguetes foram feitas num desses dias… e que bem que nos souberam! Aqui deixo a sugestão:

3 baguetes francesas médias
100g de fiambre
100g de queijo flamengo
100g de queijo mozarela
½ triângulo de queijo brie
Azeite, alho em pó, orégãos e sal q.b.
Azeitonas descaroçadas
2 tomates médios em fatias finas

Baguette francesa com três queijos

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Preparar um tabuleiro (mesmo o do forno com tapete antiaderente.

Abrir as baguetes ao meio no sentido do comprimento. Colocar cada metade, com o miolo para cima, sobre o tabuleiro. Regar com o fio de azeite o miolo, salpicar com alho em pó e orégãos.

Distribuir as fatias de queijo flamengo, por cima o fiambre, depois o queijo mozarela e por fim cubos de queijo brie e rodelas de azeitona. Regar com mais um fio de azeite e salpicar de novo com orégãos e alho em pó. Levar ao forno até o pão estar estaladiço e o queijo completamente derretido.

Ao sair do forno, colocar as rodelas de tomate sobre as baguetes, salpicar ligeiramente com sal grosso e passar rapidamente um fio de azeite. Comer imediatamente enquanto ainda estão quentinhas!!

Bom apetite!

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Tarte de cogumelos

Tarte de cogumelos com bacon

Hoje trago a última receita do desafio lançado pela Parmalat. Uma tarte, sem base, de cogumelos com alho francês, coberta com fatias de bacon. Pode ser servida como entrada ou serve de complemento a uma daquelas refeições volantes, com vários pratos e muita família e amigos. Deve ser servida quentinha… Aqui fica:

200g de cogumelos frescos
1 alho francês grande ou 2 pequenos
8 fatias de bacon
3 dentes de alho
5 ovos
1 pacote de natas com cogumelos Porcini da Parmalat
Sal, pimenta preta e azeite q.b.

Tarte de cogumelos com bacon

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Untar um recipiente de ir ao forno (pode ser qualquer pirex) com um pouco de azeite. Reservar.

Começar por lavar muito bem os cogumelos e parti-los em quatro partes. Colocá-los sobre um toalhete de cozinha para ficarem o mais secos possível.

Cortar o alho francês em fatias finas e picar os dentes de alho.

Levar uma frigideira ao lume com um fio de azeite. Assim que estiver quente, juntar os dentes de alho e os cogumelos. Deixar em lume brando, mexendo de vez em quando até os cogumelos começarem a reduzir. Nessa altura juntar o alho francês, temperar com um pouco de sal e deixar cozinhar por 3 ou 4 minutos.

Enquanto isso colocar numa taça os ovos, temperar com sal e pimenta preta moída na hora e bater. Juntar as natas e envolver muito bem.

Retirar do lume os cogumelos e o alho francês e colocar no recipiente reservado. Cobrir com a mistura dos ovos e das natas. Por cima distribuir as fatias de bacon a gosto. Levar ao forno por 25 a 30 minutos. Servir de imediato ou reaquecer e servir quente.

Bom apetite!

Tarte de cogumelos com bacon

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Peitos de frango com molho de mostarda

Peitos de frango com molho de mostarda

Hoje trago um prato básico de peitos de frango. Acho que já disse isto, mas os peitos de frango, são mais ou menos parecidos ao bacalhau, ou seja, podem ser cozinhados de mil e uma maneiras. Esta é apenas uma delas, para um jantar de semana (a carne fica a marinar enquanto se fazem os TPC e se despacham os banhos) ou uma refeição ligeira de fim-de-semana. Aqui deixo a sugestão:

Para 4
3 peitos de frango
200g de cogumelos frescos
½ pimento vermelho
1 cebola média
6 dentes de alho
Sumo de ½ limão
¼ de copo de vinho branco
2 colheres de sopa de mostarda
1 colher de chá de amido de milho
½ chávena de chá de leite
Sal e azeite q.b.

Começar por partir os peitos de frango em cubos. Colocá-los num recipiente e regar com o sumo de limão e o vinho branco. Juntar os alhos fatiados e temperar com um pouco de sal. Deixar por pelo menos 30 minutos.

Quando os peitos de frango já estiverem em tempo de serem cozinhados, levar ao lume um tacho largo e regar o fundo com um fio de azeite. Juntar a cebola partida em pedaços pequenos e deixar alourar.

De seguida juntar o frango, reservando a marinada. Quando o frango estiver bem cozinhado, juntar os cogumelos bem lavados e fatiados e o pimento cortado em pedaços pequenos.

Quando os cogumelos e o pimento começarem a reduzir (sinal de que estão cozinhados), juntar a marinada e a mostarda. Enquanto levanta fervura, dissolver numa taça à parte a o amido de milho no leite e de seguida juntar ao tacho, mexendo de imediato e até o molho começar a engrossar. Está pronto! Acompanhamos com arroz branco.

Bom apetite!

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Beijinhos com cogumelos

Beijinhos com cogumelos

Beijinhos, que é como quem diz, bifes do beijinho. Os beijinhos são uma peça de carne de vaca, que ao ser cozinhada é muito macia e suculenta. Somos fãs lá em casa… principalmente as miúdas. Os beijinhos cozinham-se depressa, uma vez que precisam de muito pouco tempo na frigideira. Aqui fica a sugestão:

1kg de bifes do beijinho
10 dentes de alho
Sal
Sumo de ½ limão pequeno
1 folha de louro
1 pitada de piripiri (de preferência caseiro)
1 pitada de pimenta preta moída na hora
150g de cogumelos frescos
Vinho branco para tempero q.b.
Margarina q.b.
1 colher de sopa de óleo vegetal
Leite q.b.

Começar por temperar os bifes, colocando-os numa taça larga e juntando o sal, o vinho branco, o limão, ao alho descascado e fatiado, o piripiri, a pimenta e a folha de louro. Envolver bem os bifes nesta mistura e tapar. Deixar a tomar sabor pelo menos uma hora.

Colocar uma frigideira ao lume com um pouco de margarina e o óleo vegetal (o óleo ajuda a margarina a não salpicar tanto para todo o lado!). Quando a margarina estiver derretida colocar os bifes e deixar fritar cerca de 1 ou 2 minutos de cada lado, repetindo a operação enquanto houver carne e juntando margarina sempre que necessário.

Enquanto isso lavar bem os cogumelos e partir cada um em quatro partes. Quando a carne estiver toda cozinhada, juntar à frigideira o molho que ficou na taça de tempero dos bifes, e acrescentar um pouco de margarina. Quando levantar fervura, juntar os cogumelos e deixar a cozinhar uns minutos, juntando aos poucos leite, sem nunca deixar o molho baixar a temperatura. Colocar o molho de cogumelos por cima dos beijinhos e servir. Acompanhamos com batatas fritas na actifry, sem óleo, e salada de tomate com orégãos.

Bom apetite!

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Crepes Primavera com molho agridoce

Crepes Primavera com molho agridoce

Hoje trago um dos petiscos preferidos lá de casa. Somos todos fãs de comida chinesa, e quando vamos comprar, os crepes nunca podem falhar. Como há relativamente pouco tempo abriu perto do local onde trabalho, uma loja de produtos de cozinha japonesa/chinesa, gosto de lá ir espreitar as novidades. Dentro da arca dos frescos estavam as embalagens de folhas de massa para crepe. Nem hesitei e peguei logo numa para experimentar fazer em casa.

O problema dos crepes é o facto de muitas vezes ficarem embebidos em óleo, sabe-se lá de quantas frituras… mas estes ficaram bem mais saudáveis. Foram feitos no forno e temperados com o sal líquido Sal e Vida (vendido em farmácias e para-farmácias), que reduz drasticamente o uso de sódio nesta receita, com a vantagem de valorizar o sabor dos ingredientes usados.

Para dar ainda mais sabor aos crepes fiz um molhinho agridoce para acompanhar. O molho parece levar um número sem fim de ingredientes, mas é tudo o que há sempre lá por casa e fica pronto em 2 ou 3 minutos. Nem vão acreditar! Aqui fica a sugestão:

Crepes Primavera com molho agridoce

Para o molho:
2 colheres de sopa de açúcar amarelo
1 colher de chá de ketchup
½ colher de sopa de amido de milho
4 “borrifadelas” de sal
2 colheres de sopa de vinagre de sidra (ou de vinho)
1 colher de café de pimentão doce
2 colheres de sopa de vinho branco
½ copo de água
Sumo de 1 laranja (o ideal é usar sumo de ananás, mas a laranja está sempre à mão!)

Colocar todos os ingredientes num tachinho e mexer muito bem com uma vara de arames ou com um garfo até estar tudo dissolvido e bem integrado. Levar a lume brando, mexendo sempre e assim que começar a engrossar, retirar imediatamente do lume e do tacho, colocando numa tacinha ou guardando num frasco com tampa no frigorífico, se não for para consumir no próprio dia.

Crepes Primavera com molho agridoce

Receita para 12 unidades de crepes
Folhas de crepes
3 chávenas de chá de couve lombarda fatiada fina
1 e ½ chávena de chá de cenoura ralada
2 alhos franceses fatiados finos
4 dentes de alho picados
1 cebola média/grande picada muito fina
1 colher de sopa de molho de soja
1 colher de sobremesa de vinagre balsâmico (ou o que houver)
4 ou 5 “borrifadelas” de sal
Azeite q.b.

Colocar um fio de azeite generoso numa frigideira e lavar ao lume. Quando estiver quente, juntar a cebola e os alhos picados e deixar alourar. Juntar todos os restantes ingredientes, juntamente com o tempero e deixar cozinhar por uns minutos, mexendo ocasionalmente, até os legumes estarem macios. Retirar do lume e deixar arrefecer.

Pré-aquecer o forno a 180.º e preparar um tabuleiro com tapete antiaderente.

Crepes Primavera com molho agridoce

Montar os crepes: Colocar uma folha de crepe sobre a bancada como se se tratasse de um losango. No centro colocar duas colheres do recheio. Dobrar os bicos laterais do losango sobre o recheio e enrolar a restante massa até ter a forma de um crepe. Colocar no tabuleiro e pincelar com azeite. Levar ao forno cerca de 30 minutos ou até a massa estar douradinha.

Servir quentinhos acompanhados do molho doce. Ficam bem estaladiços!

Bom apetite!

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Babas de nata

Babas de nata

Hoje trago uma receita de uns docinhos que nos deixaram a babar. Daí ter optado pelo nome “Babas de nata”. Não são profiteroles, porque são muito grandes para isso e coloquei o chocolate para que solidificasse e pudéssemos ir comendo, sem ter que estar sempre a aquecer o chocolate.

A ideia original era fazer a mesma receita em forma de coroa de natas, mas a aselhice às vezes também passa pela minha cozinha! Achei por bem encher ao máximo o saco de pasteleiro que tinha preparado para a massa choux, esquecendo-me do “pequeno” pormenor que no fim, o saco tem que ser manuseado e apertado para fazer a massa sair… enfim, aventuras à parte e com alguma massa desperdiçada, saíram estes pequenos bolos de massa choux, com recheio de natas e cobertura de chocolate. Ficaram deliciosos e a cada dentada lá vinha uma baba de nata a escorregar. Valeu a pena o “sacrifício”. Aqui deixo a sugestão:

NOTA: Receita com o apoio da Parmalat

Para a massa (receita do livro base da Bimby)
160g farinha
250g água
100g manteiga
1 colher de chá de sal
1 pitada de açúcar
4 ovos

Começar por pesar a farinha e reservar. No copo colocar a água, a manteiga, o sal, o açúcar e programar 5 min., temp. 100ºC, vel. 1.

Juntar a farinha de uma só vez e programar 15 seg., vel. 4.

Retirar o copo da base e deixar a massa arrefecer cerca de 20 minutos.

Numa taça à parte bater os ovos. Colocar novamente o copo na Bimby e juntar os ovos vel. 4, através do bocal da tampa, deixando envolver cerca de 20 seg.

Colocar a massa dentro de um saco pasteleiro e deixar repousar durante 30 minutos. Um saco se for grande, dois sacos se forem pequenos… não se esqueçam!

Pré aquecer o forno a 180.ºC. Num tabuleiro forrado com papel vegetal ou tapete antiaderente fazer pequenos montes, separados uns dos outros, com a ajuda do saco de pasteleiro.

Reduzir a temperatura do forno para 160.ºC e levar ao forno cerca de 30 a 40 minutos ou até que ficarem douradinhos. Desligar o forno e deixar os choux arrefecerem lá dentro com a porta entreaberta.

Babas de nata

Para o recheio e cobertura:

1 ou 2 pacotes de natas para bater PARMALAT (depende da quantidade de choux que tiverem para rechear)
3 ou 6 colheres de sopa de açúcar em pó

100g de chocolate de culinária
½ colher de sopa de manteiga
4 colheres de sopa de leite
1 pitada de sal fino
2 colheres de sopa de açúcar em pó
1 colher de sopa de cacau em pó

Enquanto os choux arrefecem, bater as natas. Para umas natas perfeitas o pacote deve estar pelo menos à 24 horas no frigorífico e a taça e as varetas da batedeira uns minutos no congelador, antes das natas serem batidas. Montar as natas, acrescentando o açúcar um pouco de cada vez. Quando estiverem bem consistentes tapar e guardar no frigorífico.

Depois de os choux estarem frios, retirar do forno e abri-los ao meio com o auxílio de uma faca de serrilha. Colocar uma quantidade generosa dentro de cada um e voltar a fechá-los, sem pressionar.

Colocar todos os ingredientes do molho de chocolate num tacho pequeno e levar a lume muito baixo até o chocolate estar completamente dissolvido. Retirar do lume e colocar de imediato uma colher de sopa de chocolate sobre cada choux.

A partir daqui é só comer e ter cuidado a cada dentada…

Bom apetite!

Babas de nata

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Polvo à lagareiro

A Inês Barbosa é estudante de Jornalismo na Universidade do Porto. Um dos seus trabalhos de final de curso vai incidir sobre o impacto que novas plataformas de comunicação - como é o caso dos blogs - têm no dia-a-dia de quem os lê. Sendo assim, a Inês pediu a colaboração do blog “As receitas lá de casa” para ajudar a concretizar uma série de questionários, que servirão de amostra e estudo para o seu trabalho. O questionário não demora mais de um minuto a ser preenchido, por isso, se fizerem o favor, não custa nada ajudar! É totalmente anónimo… Agradeço desde já em nome do blog e da Inês!

Aqui fica o link para o questionário

Polvo à Lagareiro

Agora o polvo... Apesar de ser uma coisa que adoramos, é muito raro fazermos lá em casa. Em primeiro porque o polvo não é um alimento propriamente barato. Em segundo lugar, porque rende francamente pouco. Estes dois polvos tinham cerca de 1 kg cada um. Seja como for, fica delicioso e vale a pena de vez em quando fazer o “sacrifício”. Aqui deixo a sugestão:

2 polvos com cerca de 1kg
Batatas q.b.
15 dentes de alho
Salsa a gosto
Sal q.b.
Azeite q.b.
1 folha de louro
1 colher de sobremesa de sumo de limão

Começar por cozer os polvos. No meu caso tive que cozer um de cada vez, porque não me couberam os dois em simultâneo na panela de pressão. Para cozer o polvo o ideal é ele estar congelado. De resto, basta passá-lo apenas por água, para quebrar aquele gelo mais forte, coloca-lo diretamente na panela de pressão, juntar uma chávena de chá de água, e fechar a panela. Não é preciso juntar mais nada. Nem sal, nem cebola. Levar a panela ao lume e depois de começar a ferver, deixar estar por 10 minutos. Desligar e retirar a pressão. Retirar o polvo e escorre-lo bem.

Enquanto isso, colocar um tacho com água bem temperada de sal ao lume, e depois de estar a ferver, juntar as batatas (de preferência pequenas) com casca, muito bem lavadas. Quando estiverem quase cozidas, retirar do lume e escorrer. Pegar em cada batata e dar-lhe um “murro”. Costumo com a batata pousada numa tábua, dar-lhe uma pancada com uma colher de pau, sem muita força, apenas a suficiente para a rachar.

Entretanto pôr o forno a aquecer entre os 200 e os 220ºC. Colocar os polvos no tabuleiro de ir ao forno, juntamente com as batatas.

Num outro tacho mais pequeno colocar azeite, generosamente e juntar 10 cabeças de alho esmagadas e as restantes picadas. Juntar uns pezinhos de salsa picada, a folha de louro e um pouco de sumo de limão. Levar ao lume e assim que começar a ferver regar o polvo e as batatas com este molho. Levar ao forno bem quente e deixar alourar muito bem. Servir de imediato.

Bom apetite!

Polvo à Lagareiro

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Marmelada – receita Bimby

Marmelada

Em tempo de marmelos faz-se marmelada, pois então! Eu confesso que prefiro fazê-la na Bimby, porque me poupa muito, mesmo muito tempo! É daquelas receitas em que tive que me render à eficácia do robot. Aqui deixo a sugestão:

800g de marmelos com casca
400g de açúcar amarelo
400g de açúcar branco
1 limão pequeno
1 pau de canela

Começar por lavar muito bem os marmelos e de seguida parti-los em 4 partes. Retirar o caroço e partir em pedaços mais pequenos. Colocar no copo da Bimby e triturar 30 seg. na velocidade progressiva 5-7-9. Com a ajuda da espátula, baixar o que ficou nas paredes do copo, e se necessário repetir o processo.

De seguida, juntar os açúcares e o limão descascado, sem a parte branca e sem caroços. Triturar novamente durante 1 min. na velocidade progressiva 5-7-9. Juntar um pau de canela e programar 35 minutos, vel.1, temp. 100.

Terminado esse tempo, verificar se a marmelada está na consistência desejada, não esquecendo que depois de fria fica mais consistente. Quando estiver no ponto, retirar para taças e deixar arrefecer por completo. Costumo tapar com papel vegetal e guardar no frigorífico.

Esta quantidade dá 3 boas taças. Lá em casa consome-se bastante, e por esta altura, sai uma dose nova com alguma frequência.

Bom apetite!

Marmelada

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Bacalhau no forno com legumes e batata-doce

Baclhau no forno com legumes e batata-doce

Hoje trago mais uma das receitas do desafio Parmalat. Desta vez uma receita de um prato salgado. Um bacalhau no forno com legumes e batata-doce. Fica um prato mais adocicado, pelo que é preciso ter mão no tempero, para ganhar o equilíbrio certo. Aqui fica a sugestão:

500g de migas de bacalhau (uso das congeladas e demolhadas)
2 batatas-doces médias/grandes
1 alho francês
1 cenoura
1 chávena grande com couve lombarda picada
1 cebola
6 dentes de alho
6 pés de salsa
Sal e azeite q.b.
1 pacote de natas com ervas aromáticas Parmalat
1 pacote de natas levíssimas da Parmalat
1 mão cheia de queijo mozarela

Baclhau no forno com legumes e batata-doce

Começar por descongelar o bacalhau. Cozer as batatas, com casca, para não escurecerem, em água abundante bem temperada com sal.

Numa caçarola colocar uma quantidade generosa de azeite, a cebola, os alhos e os pés de salsa picados. Quando estiverem lourinhos, juntar o alho francês cortado em fatias finas, a cenoura ralada e a couve lombarda picada. Deixar cozinhar, tapado, por uns 10 minutos, para os legumes ficarem macios. Juntar depois o bacalhau desfiado e deixar cozinhar por mais uns minutos, acertando o sal, tendo em atenção o sal do bacalhau, mas não esquecendo que vai ser acompanhado por batata-doce. Quando estiver pronto, e ainda em lume baixo, juntar as natas com ervas aromáticas.

Aquecer o forno a 180.ºC. Retirar a pele das batatas e cortar em fatias grossas. Colocar uma primeira camada de rodelas de batata no fundo de um recipiente de ir ao forno. Por cima, colocar o bacalhau com as natas e os legumes cobrindo de seguida com as restantes batatas. No mesmo tacho onde se cozinhou o bacalhau, colocar as natas levíssimas e assim que levantarem fervura, retirar do lume, juntar o queijo, envolver e cobrir as batatas com este molho. Levar ao forno até estar bem douradinho, se necessário usando o grill, caso tenham, para agilizar o processo.

Servir de imediato e bem quentinho.

Bom apetite!

Baclhau no forno com legumes e batata-doce

domingo, 24 de novembro de 2013

Torta de batata-doce com amêndoa

Torta de batata-doce com amêndoa... uma torta para o Tertúlia de Sabores da Moira

Hoje trago um post muito, mesmo muito especial. Porque hoje ao sentar-me para escrever e preparar este post percebi que o "Receitas lá de casa" e "O tertúlia de sabores" nasceram ao mesmo tempo. Em Novembro de 2007. Na realidade, e ao olhar para trás, lembro-me de acompanhar o Tertúlia desde sempre. Lembro-me do começo, de me cruzar com a Moira no Flickr, onde "falávamos" até com bastante regularidade. Lembro-me da mudança de visual do Tertúlia. Acompanhei a evolução daquela cozinha desde o primeiro post até hoje.É sem dúvida um dos meus blogs de coração, daqueles que trato e sinto com muito carinho. Hoje percebi porquê. Porque nascemos ao mesmo tempo!!

E é incrível a evolução. O Tertúlia evoluiu num sentido não muito paralelo ao meu. Eu porque vivo rodeada de crianças, com as limitações culinárias e de disponibilidade que daí surgem, o Tertúlia numa cozinha mais "experimental" e "evoluída", mas incrivelmente acessível e deliciosa. É por isso que hoje esta celebração se tornou tão especial para mim. Porque cresci ao lado do Tertúlia...

Aqui fica a minha participação lançada pelo desafio da Moira. Uma deliciosa torta de batata-doce com amêndoa e canela. Costumo fazer esta receita em versão tarte, mas decidi arriscar a versão torta. Aqui fica:

250 a 270g de batata doce cozida (uma batata média grande)
300g de açúcar
5 ovos
125g de amêndoa laminada (70g + 55g)
60g de farinha de trigo
1 colher rasa de sobremesa de canela
1 pitada de erva-doce (opcional)

Torta de batata-doce com amêndoa... uma torta para o Tertúlia de Sabores da Moira

Começar por cozer a batata-doce (deve sempre ser cozida com casca para não escurecer). Depois de cozida, retirar a pele e esmagar com a ajuda de um garfo. Reservar.

Aquecer o forno a 180.ºC e preparar um tabuleiro rectangular (usei um de 25x35). Untar com margarina, depois forrar com uma folha de papel vegetal e untar novamente com margarina. Reservar.

Levar ao lume uma frigideira anti-aderente a aquecer. Quando estiver quente colocar as amêndoas laminadas até começarem a alourar. Desligar o lume e retirar 70g. Deixar as restantes na frigideira juntando açúcar e canela a gosto. Reduzir as 70g a farinha de amêndoa com a ajuda de um robot de cozinha.

Numa taça ou robot de cozinha colocar o puré de batata-doce, os ovos e o açúcar. Bater muito bem até estar uma massa fofa. Juntar a farinha de amêndoa, a farinha de trigo, a canela em pó e a pitada de erva-doce (por opção). Bater tudo novamente, numa velocidade reduzida, até todos os ingredientes estarem integrados.

Colocar a massa no tabuleiro já preparado e levar ao forno por 15 minutos.

Numa superfície plana, colocar um pano de cozinha ligeiramente húmido, e espalhar por cima as amêndoas com açúcar e canela que estavam reservadas.

Depois da torta cozida, retirar do forno, deixar arrefecer uns 5 minutos e desenformar sobre o pano com as amêndoas (nervoooooooos...!). Enrolar a torta de seguida e deixá-la enrolada dentro do pano enquanto arrefece.

Depois é só retirar o pano com cuidado e passar a torta para a torteira ou travessa de servir. Fica uma torta daquelas húmidas e próprias para gulosos. Deliciosa!

Bom apetite!

Torta de batata-doce com amêndoa... uma torta para o Tertúlia de Sabores da Moira

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Sopa de “ervas daninhas”

Sopa de "ervas daninhas"

Hoje trago uma sopa. É muito raro trazer sopas, porque basicamente é uma coisa que todos sabemos fazer, mais disto ou menos daquilo, aproveitando o que há no frigorífico e já está. Esta é uma dessas sopas. Em que usei o que tinha no frigorífico, só que fui à varanda apanhar as “ervas daninhas” dos vasos para colocar depois da base preparada.

Pois é… é que muitos de nós, sem sabermos temos legumes na varanda para juntar à sopa. Se olharem com atenção para os vossos vasos, muitas vezes aparecem estas pequenas e delicadas ervas, vindas do nada e que proliferam por todos os lados. As beldroegas. Com uma raiz muito fácil de pegar, podemos ter sempre beldroegas num vazinho para juntar à sopa. Já espreitaram os vossos vasos ou canteiros? Não? Então vão ver se lá moram beldroegas e têm a vossa próxima sopa adiantada! Aqui fica a sugestão:

1 curgete média/grande (de supermercado, que as da horta são mega-gigantes!)
1 cebola grande
2 cenouras
1 pedacinho de abóbora
1/2 chávena de chá de feijão manteiga já cozido
2 dentes de alho
Azeite e sal
Beldroegas da “varanda”

Sopa de "ervas daninhas"

Começar por preparar a base da sopa colocando todos os legumes bem lavados e cortados em pedaços num tacho, com excepção das beldroegas, cobertos com água e temperados com sal. Levar ao lume e deixar cozer. Depois de cozidos, juntar o azeite e triturar tudo com a varinha mágica. Por fim juntar os raminhos de beldroegas, muito lavadinhos, levar novamente ao lume e deixar cozer por mais 5 minutos. Pronto a servir!

Bom apetite!

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Mousse de batata-doce

Mousse de batata doce da Duxa

Esta semana parece estar mais dedicada aos doces, e hoje trago uma sugestão literalmente “roubada” com pré-aviso, de uma cozinha vizinha, a Cozinha da Duxa. Fica uma mousse forte, docinha e fantástica. As únicas alterações que fiz foi na quantidade de canela, que coloquei mais um pouquinho, porque é um sabor que gostamos bastante lá em casa, e não usei o açúcar baunilhado. Esta é mais uma receita que convém preparar de véspera. Teve aprovação generalizada por todos os convivas. Obrigada Duxa, por mais esta fantástica partilha! Aqui fica:

500g de batata-doce (cerca de duas batatas médias)
180g de açúcar
5 ovos
1 colher de chá de canela
Nozes e canela a gosto para decorar

Mousse de batata doce da Duxa

Começar por cozer as batatas. Depois de cozidas, reduzi-las a puré com a ajuda de um garfo. Reservar.

Separar as gemas das claras. Bater as claras em castelo e reservar.

Bater as gemas com o açúcar e a canela, até obter um creme volumoso.

Juntar o puré da batata à mistura anterior e bater mais um pouco até ficar um creme homogéneo.

Por fim juntar as claras em castelo, envolvendo delicadamente com uma colher, mexendo de baixo para cima. Colocar no frigorífico. No dia seguinte, voltar a envolver muito bem com uma colher e colocar nas tacinhas ou na taça de servir. Polvilhar com nozes e canela a gosto e servir fresquinho.

Bom apetite!

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Tabuleiro de natas com palitos la reine

Tabuleiro de natas com palitos la reine

Hoje trago a primeira receita de uma parceria que o blog está a fazer com a Parmalat. O desafio foi lançado e a ideia é confeccionar duas receitas doces e duas salgadas que se possam confeccionar em dias festivos. Hoje trago a primeira sugestão. Um tabuleiro de natas com palitos la reine que fez as delícias lá de casa. O ideal é preparar a receita de véspera e servir bem fresquinha. Aqui fica:

1 embalagem de palitos la reine (reservar 6 ou 7 para a cobertura)
2 pacotes de natas para bater Parmalat
1 lata de leite condensado
4 folhas de gelatina
1 chávena de chá de leite morno
1 chávena de café bem forte
1/2 cálice de brandy (ou whisky ou rum)

Tabuleiro de natas com palitos la reine

Juntar num prato fundo o leite morno, o café e o brandy. Reservar.

Colocar as natas numa taça e bater até ficarem bem firmes (cerca de 4 minutos). Para umas natas perfeitas os pacotes devem estar pelo menos à 24 horas no frigorífico e a taça e as varetas da batedeira uns minutos no congelador, antes das natas serem batidas.

Noutra taça colocar o leite condensado e mexer com uma vareta de arames ou com um garfo. Reservar.

Tabuleiro de natas com palitos la reine

Colocar as folhas de gelatina a demolhar em água fria por 5 minutos (colocar as folhas partidas em pedaços pequenos numa taça. Cobrir por completo com água fria.). Passado esse tempo, escorrer as folhas e colocar no micro-ondas por uns 10 segundos. Retirar e mexer com um garfo.

Juntar a gelatina derretida ao leite condensado (passo sempre pelo passador para evitar que vá qualquer pedacinho sólido) e mexer muito bem com a vara de arames. Juntar este preparado com as natas batidas, envolvendo delicadamente com uma colher até estar um creme homogéneo.

Passar os palitos la reine pela mistura do leite com café, não os deixando desfazer, mas deixando o tempo suficiente para poderem absorver o líquido (se necessário acrescentar mais um pouco de leite ou café). Ir dispondo os palitos no tabuleiro ou travessa onde se vai servir o doce. Quando o fundo estiver todo preenchido, cobrir com o creme. Repetir a operação, terminando com o creme que deve ser depois coberto com os palitos la reine reservados e reduzidos a migalhas finas.

Levar ao frio, de preferência de um dia para o outro, até servir.

Bom apetite!

Tabuleiro de natas com palitos la reine

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Sobremesa com cores de Outono

Sobremesa de Outono

Porque nem só de “doces” vive o Homem, às vezes sabe bem apresentar uma sobremesa de fruta. E não é só no Verão. No Outono e até mesmo no Inverno, uma sobremesa de fruta é sempre bem-vinda para alegrar uma mesa e “desenjoar” de qualquer refeição mais pesada. Por isso, hoje a sugestão vem com cores e sabores de Outono. Aqui fica:

6 laranjas
1 romã média
1 cálice de vinho do Porto
colheres de sopa de açúcar
1 colher de sobremesa de canela em pó
1 colher de sopa bem cheia de mel
2 paus de canela

É muito simples. Descascar as laranjas, retirando o máximo possível de toda a parte branca e cortá-las em rodelas, aproveitando o sumo que deitam logo na altura. Colocar as laranjas na taça de servir. Juntar os bagos da romã, o açúcar, a canela e o vinho do Porto e envolver delicadamente. Por fim juntar os paus de canela e passar a colher de mel sobre as laranjas. Levar ao frio até servir.

Bom apetite!

Sobremesa de Outono

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Farfalle com frango e legumes caramelizados

Farfalle com frango e legumes

Eu sei que as soluções de pratos com massas são infinitas. E, pelo menos lá por casa, acabam por nunca serem iguais, porque dependem sempre do que há no frigorífico e na dispensa. Vou partilhando convosco algumas dessas soluções, para verem que há sempre alternativa, mesmo quando a carne não é muita, e principalmente para nunca haver desperdício, aproveitando tudo o que há para aproveitar. Aqui deixo a sugestão:

400g de massa farfalle
2 peitos de frango
½ frasco ou 1 lata pequena de grão-de-bico
1 cebola grande
2 alhos franceses
5 dentes de alho
Sumo de ½ limão pequeno
10 ou 12 hastes de cebolinho
1 colher de chá bem cheia de açúcar branco
Azeite e sal q.b.

Começar por colocar ao lume uma frigideira com um fio de azeite. Quando o azeite estiver quente, juntar a cebola e o alho francês cortados em rodelas, e o alho picado. Quando começar a alourar juntar o açúcar e envolver tudo muito bem. Se necessário acrescentar mais um fio de azeite.

Enquanto isso, colocar um tacho com água temperada com sal ao lume. Quando começar a ferver, adicionar a massa e deixar cozinhar por 8 a 10 minutos (depende da qualidade que se usa, mas nunca se deve deixar cozer demais). Escorrer e reservar.

Voltando à frigideira, junta-se o peito de frango partido em tiras ou cubos pequenos, tempera-se com sal e o sumo de limão e deixa-se cozinhar até estar tudo bem lourinho. Antes de retirar do lume, juntar o grão-de-bico bem escorrido, envolver e deixar cozinhar por mais 2 ou 3 minutos.

Colocar novamente a massa no tacho e juntar a mistura de carne e o cebolinho picado Envolver tudo e servir.

Bom apetite!

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Bolo de marmelo

Bolo de marmelo

Hoje trago um bolinho que já fiz no fim-de-semana passado. Usei uma fruta da época, o marmelo, para não se estragar, uma vez que me sobrou um marmelo da marmelada que também estive a preparar. Ficou um bolo baixinho, mas bem húmido e principalmente muito saboroso. Teve aprovação total. Aqui deixo a sugestão:

320g de farinha
1 colher de chá de fermento
4 ovos
200g de açúcar amarelo
2/3 de uma chávena de chá de azeite
1 marmelo
1 colher de chá de canela em pó
1 colher de café de erva-doce moída
Nozes picadas para decorar

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Untar uma forma redonda com margarina e polvilhar de farinha. Reservar.

Começar por picar o marmelo usando um robot de cozinha ou mesmo a varinha mágica (neste caso juntar um pouco do azeite da receita). Reservar.

Juntar os ovos com o açúcar e bater bem até ficar uma mistura fofa. Juntar o marmelo, a canela, a erva-doce e o azeite e envolver novamente. Por fim adicionar a farinha e o fermento
E envolver, sem bater, até estar uma massa homogénea. Colocar a massa na forma reservada e salpicar com nozes partidas grosseiramente.

Levar ao forno cerca de 30 minutos. Verificar a cozedura, retirar e desenformar. Como tinha que levar o bolo para um cafezinho depois do almoço, cortei em cubos e salpiquei com um pouco de açúcar… delicioso!

Bom apetite!

Bolo de marmelo

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Rolo de carne com queijo e fiambre

Rolo de carne

Hoje trago uma receita que apesar de fácil, é demorada, o que a torna uma receita de “fim-de-semana”. Um rolo de carne, que fica grande, ideal para um almoço de família, e que se pode preparar de véspera e colocar no forno no próprio dia. Aqui deixo a sugestão:

1000g de carne picada (usei carne de vaca, carne de porco e meio chouriço)
1 cebola média picada
5 dentes de alho picados
6 pés de salsa picados
3 colheres de sopa de mostarda
100g de queijo mozarela ralado
Sal q.b.
2 ovos
5 colheres de sopa de pão ralado

Para rechear
100g de fiambre
100g de queijo flamengo

Pão ralado para polvilhar
Azeite q.b.
Margarina q.b.

Rolo de carne

Colocar todos os ingredientes numa taça grande e misturar tudo muito bem com uma colher de pau, ou mesmo com as mãos, até estar tudo bem integrado e misturado.

Numa bancada colocar um pedaço de papel vegetal e por cima colocar a mistura anterior e estender por toda a superfície do papel, até formar um quadrado ou rectângulo, sem deixar nenhuma área muito fina.

Por cima espalhar as fatias de fiambre e de queijo. Enrolar com a ajuda do papel, como se fosse uma torta. Ter o cuidado de não deixar queijo e fiambre de fora do rolo, calcando os cantos e dando a forma final.

Rolo de carne

Colocar a carne num tabuleiro de ir ao forno, regar com um fio de azeite e polvilhar com um pouco de pão ralado. Colocar o tabuleiro no forno, que já deve estar quente (entre os 180.ºC e os 200.ºC), por 45 minutos.

Ao fim desse tempo, o rolo está quase pronto. Retirar o tabuleiro e colocar uns quadradinhos de margarina por cima da carne, levando ao forno novamente por mais 15 minutos.

Acompanhamos com arroz branco e salada.

Bom apetite!

Post Ads (Documentation Required)

Author Info (Documentation Required)